domingo, 1 de janeiro de 2012

Ano novo, blog novo!

Ho ho ho...
Tudo bem, é um pouco tarde para desejar um Feliz Natal. Mas ainda está em tempo de desejar a todos um feliz 2012!

Tudo o que pretendemos para o ano que se inicia é, de alguma forma, consequência da retrospectiva que fazemos em relação ao ano que se finda. Cada um dos nossos sonhos, desejos e anseios é também o resultado do que não fizemos, do que fizemos de errado, ou do que começamos a fazer, mas não terminamos. Lembrei-me de um antigo provérbio chinês que dizia: “há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida”. No meu caso, eu acrescentaria mais uma: a ideia esquecida.

Muitas das ideias que pareciam “geniais” no momento em que passaram pela minha mente, não foram aproveitadas no momento oportuno e acabaram se perdendo. Por isso, depois de um longo período de incapacidade produtiva, percebi – mais uma vez – que o blog é como um motor que impulsiona a produção, porque mesmo que eu não tenha certeza de quem acompanha a página – ou se alguém está realmente acompanhando –, eu acabo me sentindo na obrigação de postar alguma coisa (mesmo que esta coisa não seja nenhuma genialidade).

E para manter o recinto aquecido, a primeira atitude foi a de dar uma repaginada na aparência do site. Afinal, ano novo, blog novo! Visual mais “clean”, mais enxuto, totalmente personalizado, bem mais a minha cara. Quando eu compro um material novo ou quando faço um novo sketchbook, a vontade de rabiscar, desenhar, colar, pintar... enfim, a vontade de criar aumenta bastante. Eu espero que a vontade de postar seja semelhante com esta nova aparência.

Tenho, sim, como todo bom vivente que se preze, minhas promessas para este ano. Mas além das que já deixei bem claro – disciplina para uma maior produção e compartilhamento do que foi produzido, seja aqui ou em outras redes –, não convém citar nenhuma agora. Deixo apenas, a quem acompanha ou não este blog, o meu desejo de um ano melhor que o anterior, de mudanças constantes, cada vez mais, sempre e sempre. E para concluir este novo começo, faço minhas as palavras de Fernando (sábio) Sabino:


De tudo ficaram três coisas:

A certeza de que estamos sempre começando,
A certeza de que é preciso continuar,
E a certeza de que podemos ser interrompidos antes de terminar.

Façamos da interrupção um caminho novo,
Da queda, um passo de dança
Do medo, uma escada
Do sonho, uma ponte
Da procura, um encontro.

E assim terá valido a pena existir!