sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Pavilhão João Calmon

Aproveitando o horário de almoço sem almoço na UnB, passei perto de um dos prédios da ala norte e, como estava armado com dois sketchbooks e meu estojo de materiais, resolvi desenhá-lo em uma visão um pouco distante.

Primeiramente, fiz um sketch rápido no local com lápis 2H, quase imperceptível, apenas para demarcar o desenho sem forçar demais o papel.


Já em casa, redesenhei-o com caneta nanquim, corrigindo alguns detalhes e melhorando outros, sem, no entanto, buscar um traço muito preciso, já que o que pretendia era este desenho mais rápido. Por isso, podem-se perceber claramente alguns erros de perspectiva, assim como erros na própria espessura da linha. O que está mais atrás deveria ter um traço mais delicado e suave, de modo que ele se perdesse na profundidade da imagem, o que não acontece.


E, por fim, adicionei a aquarela apenas em alguns pontos para dar um efeito que gosto muito, apesar de não usar com frequência.

"Pavilhão João Calmon", nanquim e aquarela sobre sketchbook artesanal, 2011.

Escolhi apenas o céu, as nuvens e as áreas verdes da grama para pintar. O verde, inclusive, ficou propositadamente diferente na região anterior da imagem, pois ali não é bem um gramado. Está mais para um matinho sem graça e com muita terra, cheia de falhas que mostram as áreas pelas quais as pessoas mais cortam caminho.

Eu continuo achando a hora do almoço uma hora sagrada. Por isso, mesmo eu não tendo gastado muito tempo para desenhar neste horário, espero que a greve acabe e o restaurante universitário ainda abra um dia. Afinal, carregar todo o meu material exige muita energia: o que começa pesando mais ou menos 1 kg dentro da mochila no início do dia, no final parece pesar 10 vezes mais! Haja coluna...