quinta-feira, 26 de maio de 2011

Uma luz no fim do túnel


"O preço que se paga às vezes é alto demais
É alta madrugada, já é tarde demais
Pra pedir perdão...Pra fingir que não foi mal
Uma luz se apaga no prédio em frente ao meu..."


Em épocas obscuras o futuro parece ainda mais incerto. São tantas aporias que as vezes preferimos não andar e esperar que as coisas venham até nós - o que, obvio, não acontece. Uma escolha errada e...


Conversando com uma amiga recentemente, disse que neste momento eu gostaria de enxergar um pouco mais de claridade no meu caminho, e não apenas o ponto de luz no fim do túnel. Isso porque a sensação de estar sempre esperando por algo é quase tão frustrante que a de andar sem rumo algum. Se para frente lidamos com o futuro, com o incerto, o que passou, como o próprio nome já diz, é passado, não volta mais. Cada porta é uma escolha que, depois de aberta, abre novos caminhos sem, contudo, deixar os anteriores acessíveis.


Não há o que fazer a não ser improvisar e levar comigo a luz que for possível. E se, mesmo assim, ela apagar no meio do percurso, aí é a hora de fechar os olhos e deixar a intuição guiar o corpo. Ela acaba nos fazendo trilhar não o caminho mais fácil, tão pouco o mais seguro, mas o que nos leva aonde queremos chegar. Isso pode até demorar um pouco, mas é um mal necessário...

"O Preço" pode, de fato, ser alto demais. Mas como só se vive uma vez, vale arriscar e pagar para ver.