domingo, 22 de maio de 2011

Pensamento da semana

"Ora, filosofemos em português sobre o desenho, pois é possível. Quando desenho, se “desenho-um-desenho”, isso faz nascer a obra, mas, ao mesmo tempo, quando sou eu-que-desenho, sou eu que nasço no próprio ato que crio. "Desenho" é uma palavra que subsume a condição existencial do eu com seu próprio ato. Para usar um "lacanês" válido: me torno meu significante; mais que isso, vou junto do significante que crio até, por um ato linguístico e lógico, tanto quanto existencial, sou o significante. Todo desenho, neste aspecto, pode ser explicado pela boa teoria de Marx sobre a ação humana: o homem é fruto do seu trabalho, o homem é a sua própria obra, ele é o que é por meio daquilo que faz."

Marcia Tiburi e Fernando Chuí, em Diálogo/Desenho.