segunda-feira, 16 de maio de 2011

A brutalidade e o sensível

Semana passada tive o prazer de participar da abertura de um projeto muito interessante.

Estou estagiando em uma escola pública e, aproveitando a semana cultural ocorrida nas escolas do DF, vi a inauguração do "Cine Club Centrão" (Centro Educacional 2 de Taguatinga, ou apenas Centrão, como é mais conhecido).

O projeto, pelo que entendi, é do Ministério da Cultura e beneficia as escolas com a aparelhagem para fazer sessões de cinema, desde que, em contrapartida, a escola se comprometa a fazer sessões periódicas, registradas em ata e com fotos.

O que achei interessante é que os filmes não são os conhecidos no circuito. São curtas feitos em Brasília, por cineastas e diretores daqui, que conhecem a cidade e que fazem um trabalho que vale a pena ser visto.

O curta que abriu o Cine Club foi o documentário "Oficina Perdiz", do diretor Marcelo dias. O filme mostra Perdiz, um senhor dono de uma oficina mecânica no Plano Piloto, um homem bruto (palavras citadas no filme), semianalfabeto que decide abrir espaço em seu local de trabalho para a arte. Sua oficina, que de dia é local de um ofício braçal, a noite virava o Teatro Perdiz, um local underground que dava oportunidade tanto para novos atores, quanto para grupos de teatro local mostrarem seu trabalho.


É curioso tentar entender como a arte surge dos locais mais inesperados, dando frutos doces para uns, e amargos para outros. Se por um lado, era um dos únicos lugares que pessoas mais humildes (ou não) tinham para ter contato com um programa cultural diferente, para as autoridades eram avaliadas apenas questões políticas de desapropriação de um local que estava ocupado pela mesma pessoa a mais de 40 anos.

O filme já foi exibido em diversas mostras e festivais nacionais e internacionais, ganhando muitos prêmios aqui e no exterior. Na ocasião, o diretor do filme estava presente e debateu sobre diversas questões, inclusive sobre as dificuldades de se trabalhar com arte e cultura.

Vale a pena parar um pouco e assistir, já que o curta não chega nem a 20 minutos de duração. Ele pode ser assistido pelo blog, na guia do "You Tube", ou direto do site por este link. Ele está dividido em duas partes porque o You Tube não aceita vídeos acima de 15 minutos.

Agora é só pegar a pipoca, apagar a luz e se divertir.