quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A morte e a vida de mãos dadas


Não sei quanto aos outros, mas para mim, a morte deveria ser encarada com mais naturalidade.

Ela é sem dúvida nenhuma a maior companheira da vida, seu maior antagonismo, sua maior rival. Como uma simbiose, não existe sem a outra. É o destino. Simples assim...

Acima, capa do meu caderno de anotações, usado, principalmente, para desenhar nas horas impróprias.