domingo, 31 de janeiro de 2016

Diário de viagem #1

Esse ano vou colocar uma ideia em prática que venho cultivando há um bom tempo. Desde criança eu sempre adorei ouvir as histórias de viagens de outras pessoas e, de um tempo para cá, percebi que eu mesmo comecei a ter as minhas próprias histórias. Nas viagens que faço eu sempre aproveito para parar em algum lugar e desenhar algum ponto importante do local. Como tenho vários desenhos que nunca compartilhei, acho que vale a pena mostra-los e falar um pouco sobre a situação em que eles foram feitos.

E, para começar, um desenho rápido feito lá na Argentina, mais precisamente em Buenos Aires.

"Florais Generica" lápis de cor sobre
sketchbook, 2015.

Esta linda e enorme flor de metal chamada "Floralis Generica" é uma famosa obra de arte que fica a céu aberto no bairro da Recoleta, feita pelo artista Eduardo Catalano em 2002.


As cores que usei na representação são apenas a reflexão do que fica ao redor da obra, já que ela é feita de um metal cromado que, de longe, parece um espelho.

Infelizmente quando estive por lá a obra estava em manutenção e eu não pude presenciar a melhor parte. Como se trata de uma escultura cinética, ela abre no início do dia e fecha suas pétalas a noite.

O desenho foi feito depois de uma tarde maravilhosa em que conheci o Museo de Belas Artes que fica no mesmo bairro, no dia 9 de abril de 2015. Lá vi e me emocionei com várias obras primas dos grandes gênios da história da arte. Mas essa é uma outra história que fica para outra postagem.

Quem tiver oportunidade, vale a pena conhecer.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Adeus, Camaleão...

"Sem título", carvão, sanguínea e pastel
sobre sketchbook, 2016.

Os gênios também morrem, mas suas obras vivem eternamente.

Minha singela homenagem a David Bowie (1947-2016).

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Feliz, muito feliz 2016!

Enfim, 2016!

Mais um ano se inicia e, com ele, novos projetos, novas perspectivas e esperanças.

O ano que passou foi um ano de mudanças e de muito, muito trabalho. Foi um ano de tomada de decisões e de novos rumos na minha vida, e as escolhas que fiz me afastaram do meu trabalho como artista temporariamente.

Não falo disso aqui, porém, com nenhum pesar ou sofrimento, muito pelo contrário. Se por um lado é ruim para mim olhar que a postagem anterior foi feita no início do ano passado, por outro é bom saber que daqui para frente eu faço tudo com um prazer muito maior, com a tranquilidade de uma missão cumprida.

Compreender que em alguns momentos precisamos dar prioridade para certas coisas mesmo sabendo que outras ficarão suprimidas não é algo fácil, mas é necessário. No meu caso, resolvendo, então, todas as questões pessoais, o caminho agora está aberto para eu voltar a vivenciar a completude que somente a arte promove em alguém.

Que seja um ano produtivo e de muita arte em nossas vidas.

E, para não perder o costume, sejam bem vindos novamente!

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Feliz Ano Novo!

"Feliz Ano Novo!", grafite aquarelável e lápis
de cor sobre Moleskine, 2015.

Um ano maravilhoso para todos!

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Pintando o mundo

"O Pelicano e a Bailarina", aquarela e nanquim sobre papel, 42x30 cm, 2014.

Para brindar um ano que termina, compartilho hoje uma ilustração que fiz para minha grande amiga Letícia Caroline.

Na verdade, o trabalho que ela me pediu foi para ilustrar um conto escrito por André Hope, seu namorado, intitulado "O Pelicano e a Bailarina".
A narrativa é fantástica, envolvente e instigante, digna de uma grande fábula.

Assim, depois de o ler algumas vezes e discutir com ela sobre como seria a melhor forma de dar 'forma' para o conto, chegamos a uma ideia que resumia bem a essência do texto.

Comecei, então com um esboço preliminar com lápis 2H para não marcar muito o papel, mas definir o que seria importante no trabalho.


Em seguida, como imaginei algo bem gráfico e que lembrasse os livros ilustrados (infantis ou não), ressaltei todas as linhas com nanquim.


Passei, então, para a parte das cores, muitas, mas muitas cores mesmo em aquarela, principalmente nas paredes, já que esse era o mote (de certa forma) do conto.


Com as paredes bem pintadas, passei para o restante da imagem. Segui essa ordem para que as cores não entrassem em conflito entre si, já que as paredes possuíam praticamente todas as cores da minha paleta.


E, por fim, pintei os detalhes que faltavam, bem como os personagens que dão título ao conto, mostrado na primeira imagem dessa postagem.

Não posso, porém, terminar sem antes deixar o link para essa ótima leitura que inspirou a ilustração.
O conto completo pode ser lido no blog do autor André Hope, "Todo Hipotético" (todohipotetico.wordpress.com), que tem muitos outros textos bacanas. Não deixem de conferir!


Enfim, espero que todos tenham uma excelente fim de ano, e que 2015 não seja um ano apagado, mas com muitas cores em suas vidas.

Nos encontramos no próximo ano.
Abraços!